2006-02-03

Fecharam-se os olhos



Fecharam-se os olhos
e o ar ficou mudo.

Que mortais eflúvios,
que lençol de flores tristes
inundou o céu,
que altares se cobriram
de cinza e roxo?

Que silêncios aflitos deslizam no escuro,
que candeias tremulam,
que corpo arrefece,
que rictos amargos se vincam nos lábios?

Eu vi como a morte sorriu da janela,
se vestiu de luz, penetrou na casa...

Eu vi ela pôr-te a mão sobre a fronte,
depois, mansamente, levou-te com ela.


Imagem de László Farkasel

3 Comments:

Blogger wind said...

Fazer poesia com a morte, é obra!

12:27 da tarde  
Blogger Era uma vez um Girassol said...

É triste a morte...mas o poema é torna-a leve, quase delicada. Apenas um toque...mais nada.
Abraço

10:36 da tarde  
Blogger paper life said...

"Amor e Morte, que faço com eles?"

era o título de um recital meu.

Este poema teria vindo como de encomenda.

Bela a imagem tb.

1:48 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home